Visitantes

30 de abril de 2020

O dia em que a mata ardeu...Diálogo da Sofia

"Quando a família Bisnau se preparava para levantar voo o passarinho confrontou-os dizendo:     
      - Vocês têm noção do que fizeram?   
Mostrando indiferença o pai Bisnau diz:  
       - Não, nem queremos saber.  
       - Além de terem poluído toda a mata, ainda a incendiaram.  (Responde o passarinho já a perder a paciência).  
        - Apenas nos viemos divertir!   
Indignado, diz o passarinho:    
        - Já pensaram nos animais que aqui vivem e que vão ser obrigados a abandonar as suas casas, porque infelizmente as árvores e as flores não podem levantar raízes e voar, vão arder juntamente com a mata.  
Mostrando algum arrependimento, diz o pai Bisnau:  
        -Pedimos desculpa pelo nosso comportamento.   
E virando-se para o passarinho gritam juntos:  
        - Lixo para o chão não! 
        - Que acabe a poluição! 
       - Aprendemos a nossa lição! "
Trabalho da Sofia, 4.ºD 

O dia em que a mata ardeu...Diálogo do Dinis

Tom: Olá, kevin!
kevin: Olá,Tom! Eu quero falar contigo sobre um conto do escritor conhecido como José Fanha, que nos quer transmitir uma mensagem.
Tom: Ok, e qual é essa mensagem?
Kevin: A mensagem que o autor nos quer transmitir é para preservarmos o nosso planeta. O título do livro é "O dia em que a mata ardeu".
Tom: Estou curioso, kevin.
Kevin: O autor descreve que a natureza não tem dono, é de toda a gente.
Tom: Concordo!
Kevin: Ele descreve a floresta como tendo vários tipos de árvores, como por exemplo, pinheiros, bravos, mansos, carvalhos, etc...
Ele também refere que tinha vários amigos animais.
E estava a correr tudo bem, até aparecer uns pássaros cruéis chamados Bisnaus, que causaram um incêndio, que transformou as plantas em carvão; mas, felizmente, os seus amigos animais fugiram a tempo das mil chamas no chão.
Pois foi Tom, mas um passarinho pequenino viu que a árvore em que costumava fazer o seu ninho estava a arder e chamou os bombeiros. Ele não falava a língua dos homens mas o seu canto aflitivo chamou a atenção deles que correram em direção à mata e apagaram aquilo em 5 segundos.
Tom: Depois do fogo estar apagado os animais voltaram para o seu habitat natural, não foi Kevin?
  Kevin: Sim foi, e acabou tudo como anteriormente. O mais importante é não esquecer a mensagem para preservarmos o nosso planeta!!

Texto do Dinis, 4.ºD


O dia em que a mata ardeu...Acróstico do Miguel

O dia em que a mata ardeu

Dono, aquela mata não tinha
Ia a família Bisnau
A pensar fazer um piquenique

Entretanto o pai Bisnau deixou cair um cigarro
Mas ele não estava apagado

Que tragédia!
Um passarinho apercebeu-se
E os bombeiros foi chamar

A caminho lembrou-se que não falava com humanos

Mal chegou viu os bombeiros
Após algum tempo eles conseguiram
Tinham percebido
A voar o passarinho chegou

A mata continuava a arder
Rapidamente os bombeiros chegaram
Deitaram água
E o fogo apagaram
Um pequeno passarinho foi o herói!
Texto do Miguel, 4º D

O dia em que a mata ardeu...Diálogo da Maria Inês

"O bombeiro Matias e o bombeiro Bernardo estavam no quartel dos bombeiros sentados numa cadeira, quase a dormir um para cada lado. Quando de repente, entra quartel adentro, todo esbaforido, num canto muito aflitivo, um belo pássaro. Bernardo e Matias, com o susto, dão um salto da cadeira e caem no chão.    
- Piu, piu, piu ­- canta o passarinho, muito aflito.
- Bernardo!
- Diz Matias.
- O que é que o pássaro nos está a querer dizer?
- Não sei!
- Vamos segui-lo...
Entraram muito depressa no carro dos bombeiros e começaram a segui-lo, muito rápido. No carro o Matias disse:
- Será que é a nossa mata que está a arder?
Muito triste, respondeu o Bernardo:
- Eu, também tive o mesmo pensamento.
Quando lá chegaram viram a mata arder e muito aflitos, puseram mãos ao trabalho:
- Vamos lá! Pega nas mangueiras.
As pessoas perguntaram umas às outras quem fez esta maldade.
Todos tristes, pessoas e animais, fugiram pensando que estava tudo perdido, que nunca mais podiam ali viver…
Com muito custo os bombeiros lá conseguiram combater as chamas…  
- Matias, acho que fizemos um bom trabalho, não achas?     
- Sim, felizmente para o bem de todos.
A Natureza é o nosso bem mais precioso! Devemos todos ter muito respeito, desta vez correu bem, mas um dia pode ser tarde de mais…  
Trabalho da Maria Inês, 4.ºD

O dia em que a mata ardeu...Acróstico do Diogo

O autor do texto adorava a sua mata

Dava tudo por ela.
Iguanas,
Aves

Trabalho do Diogo, 4.ºD
Entre outros animais.
Mas de repente...

Quiseram fazer um piquenique
Uma família de pássaros
Extravagantes.

Amor eles não tinham,

Mas maldade sim!
Agora que eles
Tinham chegado
Aquela mata estava em perigo.

A mata ardia
Rodeada de lixo.
Depois chegaram os bombeiros,
E o fogo apagaram.
Um grande susto levaram!

O dia em que a mata ardeu, de José Fanha

Hoje na "Hora da Leitura" promovida pelo projeto #EstudaEmCasa foi apresentada a obra de José Fanha. Se ainda não conheciam este livro sobre a defesa do ambiente vão ver que vale a pena o ler...



No final da leitura e para complementar a compreensão do livro foi proposto aos alunos que redigissem um texto, diálogo ou acróstico, sobre a história em estudo.

Boas Leituras!

27 de abril de 2020

O 25 de abril contado por uma Criança

"Vou-vos contar uma pequena história, não vivida por mim, mas por muitos dos portugueses.
Há muitos e muitos anos atrás, num pequeno país chamado Portugal não havia liberdade.
As pessoas viviam tristes e revoltadas, ninguém era feliz naquele lugar.
Não havia alegria, era um país cinzento e triste, onde ninguém podia expressar a sua opinião. E, tu, já te imaginaste a viver assim? Sem poder ir à escola em conjunto com os rapazes, a viveres ameaçado pelo medo e pela censura?
Mas nesta história havia apenas uma única personagem a quem todos temiam, o chefe de Estado, Salazar. Uma pessoa muito má que todos odiavam.
Cansados de tanta ditadura, as pessoas revoltaram-se, estavam cansadas, queriam ir à procura da sua liberdade. Juntaram-se aos soldados e, ao som da música, que se ouvia na rádio, deu-se então uma grande revolta: “O 25 de abril de 1974, a Revolução dos Cravos” que até hoje mudou o nosso país. 
Houve um grito de liberdade!!

Agora sim, somos livres! Somos como a gaivota da música…Somos livres de voar!"

Margarida, 4.ºD

"Beijinhos Doces"

Na semana passada assistimos às aulas em televisão, através do projeto #EstudoEmCasa.
Na 1.ª aula de Português foi-nos apresentado os conceitos relacionados com o Texto Instrucional que já conhecíamos mas que é sempre bom recordar.
Foi-nos apresentada uma deliciosa receita denominada "Beijinhos Doces" que passamos a apresentar:

Ingredientes:
  • 100g de açúcar
  • 200g de bolacha tipo Maria moída em pó
  • 200g de chocolate em pó
  • 50 g de manteiga à temperatura ambiente
  • 2 ovos inteiros
  • Chocolate granulado q.b
  • Missangas de açúcar coloridas
  • Açúcar q.b
Preparação:
  1. Mistura todos os ingredientes secos.
  2. Adiciona os ovos e a manteiga à temperatura ambiente.
  3. Amassa bem até formar uma pasta.
  4. Molda bolinhas e envolve nas missangas ou no chocolate granulado ou no açúcar.
  5. Coloca em forminhas de papel e leva ao forno por 30 minutos.
  6. Está pronto a servir!
Estava lançado o desafio e o "nosso" João Luís com ajuda da mãe, puseram as mãos na massa e fizeram-nos esta surpresa...
"Beijinhos Doces" pelas mãos do João, 4.ºD
Bom Apetite!

26 de abril de 2020

"Amor a Portugal"

O país que eu escolhi para viver é Portugal, porque além de ser o meu país é o que conheço melhor.
Portugal fica localizado na parte mais ocidental da Europa e a norte do continente africano. Em conjunto com Espanha, forma a Península Ibérica.
Portugal foi para a União Europeia em 1986 e nós, os portugueses, temos muito orgulho nisso.
O nosso país faz fronteira marítima com o oceano Atlântico, a sul e oeste, e fronteira terrestre com Espanha, a Norte e a Este.
A capital de Portugal é Lisboa. Esta cidade é muito conhecida e muito linda.
Desde a época dos Descobrimentos que os portugueses foram deixando marcas importantes da sua cultura pelo o mundo. Uma delas é a língua portuguesa. Os países cuja língua oficial é o português são países lusófonos e fazem parte da CPLP- Comunidade de Países de Língua Portuguesa. Esses países são: Portugal, Cabo Verde, Brasil, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique e Timor-Leste.
A superfície de Portugal é de 92 072 quilómetros quadrados. Apesar de Portugal ser pequeno, ocupa todo o meu coração!
Na bandeira de Portugal tens muitas cores, por exemplo, o vermelho e o verde. O vermelho significa a cor da conquista, representa o sangue derramado nas batalhas pela conquista do território, e o verde significa a esperança e representa a mudança de vida no país.
A nossa população é de 10 600 000 habitantes. Somos um povo simpático, calmo e acolhedor.
Gabriela, 4.D
.
Olha que dois! Amigos inseparáveis!

Tarefas Semanais - 27 a 30 de abril

Olá, pais e alunos!
Como habitualmente partilho aqui no nosso cantinho a grelha das atividades escolares.
Tarefas Semanais (clica aqui)


Bom Trabalho!

25 de abril de 2020

Textos e Cravos de Esperança...

Numa altura em que por causa de uma pandemia (Covid-19) estamos confinados dentro de casa e não podemos ir à escola, o conceito de Liberdade nunca fez tanto sentido...
Ainda assim, ao longo desta semana, construímos textos bonitos e cravos de esperança! Fica aqui registado as nossas ideias e sentimentos.
Trabalho realizado pela Joana, 4.ºD

Portugal em revolução,

Todos unidos numa só voz.
A lutar por uma pátria maior,
Para libertar os nossos avós.

Era um país infeliz,
Mergulhado na escuridão.
Ter um molho de cravos nos braços,
Para nos darem a razão.

Ao longo de muitos anos,
O país era um tormento.
Mas com o vermelho dos cravos,
Tudo ficou menos cinzento!

Com a liberdade imposta,
Todos na rua cantaram
Grândola, Vila Morena...
Matias Luís, 4.ºD

25

Alegria
Bravura
Revolução
Independência
Libertação

Democracia
Indispensável
Abril

Data
A recordar

Livre
Imprescindível
Bondade
Escolha
Rir
Direitos
Abertura
Determinação
Esperança...

Filipa, 4.ºD

Antigamente era o Salazar
A pessoa que todos odiavam
Mandou polícias parar
Ouvir as pessoas a conversar.

Escolas separadas
Alunos também
Pois Salazar raramente
Fazia o bem.

Documentos, nunca mostrar
Pois a Pide estava lá!
Que não era coisa a brincar!

Até que chegou o dia,
Da revolução iniciar
Pistolas no ar
E pessoas salvar!

 Diogo Monteiro, 4.ºD


Lá vem o dia 25 de abril! Os soldados,
Imaginaram como seria a liberdade. Com
Bondade no coração
Escreveram uma bonita história,
Reconstruíram um país cheio
De amor, paz, liberdade e união.
A nossa coragem
Deu-nos
Esperança e o cravo em homenagem…

 Gabriela, 4.ºD

Salazar deixou o nosso país
Cinzento e sisudo
Com a sua mania de mandar em tudo!

Não havia Liberdade
Era uma maldade!

Meninos e Meninas separados
Em escolas diferentes
E os pobres trabalhando sempre!

O Povo e os Soldados, fartos da guerra...
Em segredo organizaram a revolução
Para pôr fim à maldição!


Salgueiro Maia, nosso Herói
Pôs fim à Ditadura.
Homens e Mulheres
Saem à rua...
Matia Inês, 4.ºD

 Sofia, 4.ºD
Liberdade de expressão
Igualdade para todos
Bem hajam aos soldados
Esperança para um povo
Revolução Militar, com os cravos a simbolizar
Depois de tanto sofrimento
A liberdade está conseguida
Dia 25 de abril, vamos comemorar
E com as guerras acabar!


Em tempos que não havia liberdade
Uma revolução foi feita
Os militares fartos da guerra
Fizeram de tudo pela terra perfeita.


Já fartos da ditadura
Foram todos à rua
Com muita vontade
Viveram uma aventura.

Ilustração do Francisco, 4.ºD
Texto da 
Ana Cecília , 4.ºD

No dia 25 de abril comemora-se o dia em que Portugal teve liberdade. Antes desse dia tinha uma escola para meninas e outra escola para meninos , para os que tinham sorte de ir para a escola . Nesse país era proibido ler e falar sobre tudo o que se queria . Isso tudo começou no ano de 1974. Também não se podia discordar do governo.
Eu penso que o dia 25 de abril foi muito bom para todas as pessoas.
Ilustração do Diogo Miguel, 4.ºD
Texto da Lara, 4.ºD

Antes do 25 de abril de 1974, Portugal era uma ditadura, governado por Salazar. Era tudo diferente do que é agora, não se podia discordar do governo porque havia polícias (PIDE) a ver e castigavam quem falasse mal do governo, os rapazes e as raparigas tinham escolas diferentes e nem todas as crianças iam à escola, os mais pobres tinham que ir trabalhar. Os homens eram obrigados a ir para a guerra em África. Era um país triste.
No dia 25 de abril de 1974 os soldados saíram à rua, para fazerem uma revolução, queriam acabar com a ditadura e começar a democracia. Queriam um país livre, onde se podia votar livremente, pensar e falar de forma diferente, uns dos outros, queriam um país alegre.
O povo juntou-se aos soldados, dando-lhes cravos que eles colocaram nos canos das espingardas. Foi por isto que a revolução ficou conhecida como “Revolução dos Cravos”. Os presos que nunca roubaram nem mataram foram libertados.
Foi por causa da “Revolução dos Cravos” que o feriado do dia 25 de abril é comemorado.
Na minha opinião o 25 de abril foi muito útil porque posso viver em liberdade...

 João Luís, 4º D

Um homem malvado
chamado Salazar
governou Portugal
enviou os nossos homens para o Ultramar.


Num país onde não era possível discordar
o povo tinha medo de sair à rua
de se juntar e conversar.


As famílias mais ricas
tinham mais poder
podiam levar os seus filhos à escola
para aprender a ler e escrever.


No dia 25 de abril de 1974
a revolução dos cravos
trouxe a liberdade, paz e amor
um grande obrigado a todos os seus soldados.

Ilustração de José Miguel, 4.ºD
Texto do Dinis, 4.ºD

25 de abril, SEMPRE!
Viva a Liberdade!

Trabalho realizado pela Margarida, 4.ºD

22 de abril de 2020

Everyday is Earh Day

Hoje é dia Mundial da Terra. Faz 50 anos que no dia 22 de abril de 1970 se começou a celebrar este dia. Hoje na aula de inglês falamos na importância deste tema... Aprendemos mais uns com os outros.
É importante ler livros e ouvir falar inglês para treinares e não esqueceres!


Partilhamos convosco os seguintes recursos educativos para pintares nos teus tempos livres.




20 de abril de 2020

Ser Livre é...

Na aula síncrona do dia de hoje (plataforma digital Zoom) pedi aos alunos que escrevessem uma pequena estrofe sobre o tema da Liberdade, para juntos construirmos um poema coletivo. Com o vosso contributo, o texto ficou assim...
"Ser livre...
é sorrir, poder sentir
É exprimir…

Ser livre...
é ter sonhos infinitos
é abraçar, acarinhar
para a vida continuar.

Ser livre...
é voar como um pássaro,
é correr sem parar,
é saltar,
é brincar.

É estar com os amigos.
É amar o outro, sem magoar!

Ser livre... 
é sentir o mundo na nossa mão.
É expressar a voz do coração!

O valor da liberdade está na força da conquista..." 

Poema Coletivo, 4.ºD                                           

Vem aí o 25 de abril...


Em Portugal
estava a mandar,
um ditador
chamado Salazar.

A censura pelas ruas
andava a passear,
e quem se opunha ao poder,
a Pide iria prender.

Os jovens portugueses
na idade de casar,
eram todos obrigados
a ir para a guerra do Ultramar.

Meninos e meninas
em escolas separadas, iam estudar,
e os filhos de famílias pobres
tinham de trabalhar.

Soldados fartos da guerra,
por uma revolução foram lutar
e a censura
conseguiram derrotar!
                                     
Lourenço, 4.º D
            

19 de abril de 2020

Compreensão do Poema da Beira da Foz

Nesta semana que terminou, uma das tarefas dos meus alunos era analisar esta poesia escrita pela autora Maria Natália Miranda. Pedia-lhes ainda que respondessem a algumas questões, numa ficha de leitura que deixo aqui como uma sugestão de trabalho.



Tarefas Semanais - 20 a 24 de abril

Olá, pais e alunos!
Como combinado partilho aqui no nosso cantinho a Grelha das Tarefas Semanais 
Bom Trabalho!

Grelha das Tarefas Semanais (clica aqui)

16 de abril de 2020

Se eu fosse um país da UE seria …

A Bélgica

"A Bélgica é um país da Europa ocidental e um dos membros fundadores da UE (união europeia) e onde está a sede, bem como outras grandes organizações . É um país monárquico com a sua capital em Bruxelas.
É conhecido como país baixo, pois está abaixo do nível das águas do mar, o seu ponto mais alto fica 100m acima das águas do mar .
Podemos dividir a Bélgica em dois grupos linguísticos: 
-Flandres onde falam o flamengo e fica no norte;
-Valónia onde falam o francês e fica no sul.
Em Bruxelas, a capital, falam as duas línguas, esta diversidade de idiomas deve-se a conflitos políticos e culturais desde a época da idade média com a divisão do país em feudos.
A Bélgica é famosa pelos seus chocolates, cervejas e pelas batatas fritas!
Na cultura temos muitas personagens famosas como o jornalista Tintin , o Gaston , os Estrunfes agora conhecidos pelos Smurfs, entre outros mais . Tem o parque de diversões do Astérix não fosse ele gaulês .
Tem monumentos muito famosos como o "Atrium" que tem 90m de altura e foi feito em 1958 para a "Expo", e uma muito famosa e com replicas em muitos jardins do mundo que é a de um Menino a urinar na pia de uma fonte, esta estátua chama-se "Manneken Pis".

Bélgica é um país muito interessante para ser visitado!..."

Lourenço, 4.ºD
A França

            "Se eu fosse um país da União Europeia, seria a França.
            A França é um país muito bonito, que fica situado no centro da União Europeia, faz fronteira terrestre com a Bélgica, Luxemburgo, Alemanha, Suíça, Itália, Espanha e, com as micro nações do Mónaco e Andorra. É banhada pelo Oceano Atlântico, Mar Mediterrâneo o Canal da Mancha e o Mar do Norte.
      Tem vários pontos turísticos, como por exemplo, a Torre Eiffel, o Museu do Louvre, a Disneyland Paris (que eu gostaria muito de visitar) e muitos outros.
            A França também é conhecida por ter as maiores casas de moda e a cozinha mais sofisticada.
            A sua bandeira, tem três cores, azul, branco e vermelho. Cada uma ocupa um terço.
            Tem sessenta e sete milhões de habitantes, Paris é a sua capital e o presidente chama-se Emmanuel Macron."

João Luís, 4º D


Se eu fosse um país da União Europeia, eu seria a França, porque este lugar é muito bonito e é aqui que moram alguns dos meus primos.
Neste país há uma cidade chamada Paris. E neste local as pessoas são muito simpáticas e amorosas. França também é conhecida como “A cidade do pão”, porque há umas baguetes muito saborosas e uns croissants que também são muito bons.  Mas não me posso esquecer da torre Eiffel que é uma torre muito grande que toda a gente de França conhece. Em Paris também temos o museu de Louvre com aproximadamente trinta e cinco mil obras. E, por fim, a Estátua da Liberdade, que não está em França, mas foi feita por um escultor francês.
Gosto muito de França!

                                                               Diogo Monteiro, 4º D


            A Itália
     Se eu tivesse que escolher um país Europeu gostaria de ser a Itália. Em seguida vou falar sobre os motivos porque escolhi este país.
     A Itália tem uma gastronomia que é deliciosa, como por exemplo: pizza, massas variadas, lasanha, etc.
     A sua capital é Roma, é a sede do Vaticano, lá encontram-se várias obras de arte monumentais e ruínas antigas.
     Tem várias cidades importantes, por isso, vou falar do que mais gosto em cada uma delas. Em Florença, temos obras do Renascimento, como "Davi", de "Michelangelo".
      Em Veneza (a cidade dos canais) podemos dar passeios de gondolas!...
      E, por último, Milão, a capital da moda Italiana.
      Eu adoro a moda e a arte que envolve este país…

Presidente:  Sérgio Mattarella
Capital: Roma
População:  60,36 milhões (2019) 
  
Sofia, 4º D

O Chipre, país que o Miguel escolheu

        
O Chipre é um pequeno país com oitocentos mil habitantes.
No Chipre falam em grego e turco, as palavras são muito engraçadas e diferentes como por exemplo: merhaba (olá), kaliméra (bom dia), teçekkur ederim (obrigado) …
A moeda que usam no Chipre é o euro.
A capital é Nicósia e o presidente é o Nicos Anastasiades.
Lá há vários monumentos como a Petra tou Romiou que acreditam ser uma pedra lendária, Tombs of the Kings que são “campos santos" com túmulos, etc…
O Chipre é maravilhoso como podem ver!!!

Vamos todos dar um mergulho!!!

Miguel,4ºD 
                                                     

Se eu fosse um país da União Europeia...


Estamos a estudar os países da União Europeia, desenhamos e construímos a sua bandeira.
E, também, escrevemos, um texto imaginando qual o país que gostaríamos de ser...


"Se eu fosse um país da União Europeia seria Portugal, pois adoro o meu país, sinto-me bem, segura e sou feliz aqui.
Mas mudava algumas coisas, não deixava ninguém passar fome nem viver nas ruas, toda a gente teria uma casa para viver.
Teria mais parques para as crianças brincarem, para observar a natureza, e conviverem em família, enfim fazia de Portugal um país melhor para se viver em paz e alegria".
                                                                                           Maria Inês, 4.ºD

"Se eu fosse um país da União Europeia seria a Itália porque é um país da europa com uma longa costa mediterrânea. É um país poderoso a nível da culinária e na cultura.
  A capital deste país é Roma que é a sede do Vaticano onde se pode encontrar obras de arte monumentais e ruínas antigas.
  Florença, outra cidade, destaca-se com obras primas do Renascimento, como o "Davi", de Miguel Ângelo. Veneza também se destaca pela cidade dos canais e, Milão, capital da moda em Itália.
  O futebol em Itália é um dos mais poderosos e mais tradicionais no mundo. Os media italianos cobrem intensamente o campeonato e a seleção e o povo é bastante ligado à modalidade, sendo grandes admiradores.
  No presente, com esta pandemia (Covid-19), Itália tem sido um dos países mais sacrificados!!!

Matias Luís, 4.ºD

O que faz andar a estrada? É o sonho.

Mia Couto é um poeta. De todas as frases bonitas que escreve, a nossa colega e amiga Sofia destacou a seguinte:


Depois escreveu a biografia do autor com base na recolha da informação que fez na internet.

Biografia Mia Couto  (clica aqui)

ANTÓNIO EMILIO LEITE COUTO nasceu a 5 de julho de 1955 e foi escolarizado na Beira, cidade onde nasceu e que ficava na capital da província de Sofala, em Moçambique, África. 
Ele é Escritor e Biólogo. Adotou o nome Mia Couto porque tinha uma paixão enorme por gatos.
Com 14 anos já tinha alguns poemas publicados num jornal da sua cidade. No total ganhou 8 prémios importantes.
Mia Couto escreve para crianças e adultos. Tem várias obras publicadas: poesias, contos, crónicas e romances. Nos tempos livres ele adora estar com a família e os amigos. 

Sofia, 4.ºD

15 de abril de 2020

Mia Couto pelas mãos dos meus Alunos

                                                               Verdadeiros Artistas!

Trabalho realizado pela Filipa, 4.ºD

Trabalho realizado pelo Francisco, 4.ºD



Trabalho realizado pelo Zé, 4.ºD


Trabalho realizado pelo João Luís, 4.ºD

Trabalho realizado pelo Lourenço, 4.ºD

Trabalho realizado pelo Dinis Leão, 4.ºD

Trabalho realizado pela Maria Inês, 4.ºD

Trabalho realizado pela Joana, 4.ºD


Trabalho realizado pela Sofia, 4.ºD

Trabalho realizado pela Margarida, 4.ºD

O Rosto de Mia Couto...

A professora lançou-nos o desafio, desenhar o Rosto do autor, escritor e poeta Mia Couto.
Aqui vos deixamos um 1.º retrato, pelas mãos do nosso amigo e colega de turma Matias... 

Trabalho realizado pelo Matias Luís, 4.ºD

Breve Biografia do Escritor Mia Couto


No seguimento do estudo da obra «O Beijo da Palavrinha», a nossa tarefa para hoje, na disciplina de Português consistia na pesquisa e na redação de um texto, com dados biográficos sobre a vida e a obra de Mia Couto. Os nossos colegas passaram o texto no computador e, aqui, os partilhamos. 


Biografia  de Mia Couto


António Emílio Leite Couto (Mia Couto) é escritor e biólogo moçambicano.
Ele nasceu em Moçambique, no dia 5 de julho de 1955, neste momento atual tem 64 anos.
A sua primeira obra publicada foi quando ele tinha 14 anos e foi num jornal da sua cidade, a cidade da Beira.
Ele já ganhou 8 prémios, o mais recente foi em 2014.
Para mim é um dos melhores escritores que já conheci!...

Diogo Miguel, 4.ºD

Poeta e escritor Mia Couto


O nome completo do autor Mia Couto é António Emílio Leite Couto ,  nasceu na Beira , que fica em Moçambique , no ano de 1955 . 
O nome “Mia” vem da sua paixão  por gatos e pelo facto  do seu irmão  mais novo, em tempos de infância, não conseguir dizer o seu nome.
Fez o curso de Medicina e logo iniciou  os seus primeiros trabalhos no Jornalismo. Deixou a medicina e passou a dedicar-se inteiramente à escrita.
Mia Couto é escritor, já publicou várias obras, por exemplo: "Jesusalém"; "O beijo da palavrinha"; "Mar me quer" , "Terra Sonâmbula"; "A água e a águia"; "Cronicando"; "A chuva pasmada"; "Vagas e lume".
Eu acho que Mia Couto é uma pessoa simpática  e eu gosto muito do seu trabalho.

Lara Ferreira, 4.ºD


    António Emílio Leite Couto é um autor fascinante que não só escreve livros para adultos, como também para crianças.
    Este senhor nasceu em Moçambique em 5 de Julho de 1955 e atualmente tem 64 anos.
    Claramente, este incrível autor já recebeu muitos prémios e o mais recente chama-se “Neustadt Internatinonal Prize for Literature”.
    Ele já escreveu muitos livros mas o que eu gostei mais foi “O beijo da palavrinha”.
    Gosto muito deste autor.

Diogo Monteiro, 4.ºD


Biografia de Mia Couto
  António Emílio Leite Couto, mais conhecido como Mia Couto, jornalista, escritor e biólogo, nascido a 5 de julho do ano 1955, em Beira, Moçambique.
  Seu nome foi-lhe atribuído pela sua paixão por gatos!...
  Apenas com 14 anos de idade publicou o seu primeiro poema e desde então nunca mais parou de escrever até aos dias de hoje.
  São muitas as suas obras, entre elas o "Beijo da Palavrinha", "Venenos de Deus", a "Confissão da Leoa", "Mulheres de Cinzas" e muitas mais.
  Mia Couto nos seus tempos livres adora estar com a família e amigos.
  É sem dúvida um dos melhores escritores da atualidade!!!

Matias Sousa,4.º D