Visitantes

15 de maio de 2020

«O Segredo do Rio»

É muito importante Ler todos os dias! Ler é aprender a crescer!...
Para este fim de semana deixamos esta sugestão de leitura, «O Segredo do Rio», do escritor Miguel Sousa Tavares. Boas Leituras!

6 de maio de 2020

"Canção da Terra"

Uma das atividades propostas para esta semana era ler e escolher um poema do livro "O Planeta Azul", da autora Luísa Ducla Soares e, no final, ilustrá-lo a nosso gosto.


A Margarida ilustrou o  poema que escolheu assim...

E colocou o seu trabalho numa tela para um dia se lembrar deste momento, enquanto estava em casa protegida do vírus (COVID 19)


5 de maio de 2020

«O Pandinha»

O nosso colega e amigo, João Luís, escreveu este diálogo e quis partilhá-lo com todos nós. 


"Certo dia passeava pela montanha, quando ao longe parecia ver uma bola de algodão. Aproximei-me e vi que era um panda bebé, parecia estar triste. Reparei que ali perto não havia mais nenhum panda.Comecei a falar com ele e perguntei-lhe:
     - Onde está a tua mãe?
     - Não sei! - Respondeu-me o panda bebé.
     - Como te chamas?
     - Chamo-me Pandinha!
     - Porque estás triste? - Perguntei-lhe preocupado.
     - Não sei onde está a minha mãe! - Respondeu-me o Pandinha.
     - Vou ajudar-te a encontra-la.
     - Obrigado!
     Peguei nele ao colo e comecei a caminhar procurando a mãe dele.
     No caminho encontrei paus de bambu e dei para ele comer. Porque parecia estar com fome.
     Quando acabou de comer continuamos a caminhar, e encontrei pegadas de panda. Segui-as e vi um panda grande a chorar. O Pandinha reparou que era a sua mãe.
     Fui até ao panda e entreguei-lhe o filhote e ela parou de chorar. Os dois foram juntos para casa muito contentes por se terem reencontrado.
     E eu fiquei feliz por os ter ajudo."

«O Planeta Azul», de Luísa Ducla Soares

Um livro com lindas poesias, para miúdos e graúdos! Boas Leituras!

4 de maio de 2020

Tarefas Semanais - 4 a 8 de maio

Olá, pais e alunos!
Partilho aqui a Grelha das Tarefas para esta semana.
 Bom Trabalho!


Dia da Mãe

Querida mãe
Neste dia especial
Escrevi este poema 

Com palavras sinceras
Escritas com o coração
Para ficar no ouvido como uma canção 

És o meu sorriso
Fazes tudo por mim
Com este gesto pequenino, em forma de gratidão                                                  

As tuas palavras são sempre de amor
É o que tu me dás
Meu amor, meu amor!

Que me amas muito,
Isso eu já sei
E para sempre eu te amarei.
Maria Inês, 4.ºD

3 de maio de 2020

Para a minha Mãe

Poema da Margarida, 4.ºD

Moldura para a Mãe

Poema para a melhor mãe do mundo (a minha)

Para ti
As mais lindas palavras
Do fundo do meu coração
Canto-te uma canção
E digo-te
Que és linda, incrível e perfeita.
Dizem que ninguém é perfeito
Mas tu, mãe, dás sempre um jeito
E despertas em mim
Uma forte paixão…

O teu sorriso dá-me alegria
O teu toque felicidade
Os teus abraços conforto
E eu sei que vou
Amar-te para a eternidade!...
                         
 Gabriela Gaspar, 4.ºD

Isto é para ti Mãe...

Mãe és a minha melhor amiga e disso não tenho dúvidas!
Tu ajudas-me com tudo, a fazer os trabalhos de casa, a fazer a cama, etc.
Trouxeste-me à vida e dás-me tudo o que eu quero, não interessa o preço.
Tu amas-me e eu também te amo, se tu não fosses minha mãe eu não saberia o que fazer. 
Eu quero que nunca saias da minha vida!
Mãe, isto é para ti e espero que gostes...

José Miguel, 4.ºD

Mãe e Filho

Mãe é paixão

Mãe é alegria

Mãe é emoção

E é por isso

Que eu a trago

Aqui dentro

Do meu coração... 
Afonso José, 4.ºD

MÃE

Mãe,
És especial
Como tu
Não há igual.

Sem ti
Não sei o que faria
Tu para mim
És uma guia.

O Dia da Mãe
Vou celebrar
E à melhor Mãe do Mundo,
Este poema vou dedicar!!!


Miguel,4ºD

Hoje é Dia da Mãe

Feliz dia da Mãe !
Quero-te agradecer,
por tudo o que fizeste ,
pelo esforço que tiveste, para eu nascer!

Quero-te agradecer,
por tudo o que me deste ,
e por uma irmã eu ter .

Quero-te agradecer ,
por tudo que me ensinaste,
por tudo em que me ajudaste!

Quero-te agradecer
de uma forma especial, dou-te esta prenda
que fui eu a fazer!...

Lourenço Jorge, 4.ºD

2 de maio de 2020

Como pintar a Felicidade!

Um dos desafios desta semana, proposto aos alunos, era elaborar um trabalho alusivo ao tema "Como pintar a Felicidade!"
Os alunos podiam escrever, pintar, desenhar, declamar um poema, uma canção, uma dança, etc... para exprimir e iluminar este belo sentimento...
Aqui no blogue ficam registados alguns desses trabalhos para mais tarde recordar!...

Texto do Zé, 4.ºD

Ilustração do João Luís, 4.ºD

Ilustração da Lara, 4.ºD

Ilustração do Lourenço, 4.ºD

Ilustração do Diego Filho, 4.ºD
Ilustração do Matias, 4.ºD
"Sem abraços e beijos, estas cores vamos pintar. Com a esperança da Felicidade alcançar!"

1 de maio de 2020

"O dia em que a mata ardeu" pelas mãos do Matias



O dia em que a mata ardeu

Dia após dia,
Inverno, primavera, verão e outono
Animais de todas as espécies

Ervas e plantas
Muitas árvores distintas

Quantos animais ali existiam
Um dia tudo mudou...
E a mata nunca mais seria a mesma

Aqueles pássaros maldosos 

Muito lixo e descuido
Adormeceu um dos pássaros
Tendo um cigarro na asa
A rebolar pela mata

Ardeu tudo
Rastilho traiçoeiro
Desapareceram os animais todos!
Embora voltassem,
Um a um, na primavera seguinte...
Texto e ilustração do Matias, 4.ºD

O Acróstico da Filipa

O autor morava perto de uma mata

Dizia que a mata era dele
Isso é mentira, porque a mata é de toda a gente
Aves de várias espécies viviam

Em cima das árvores.
Mas certo dia, os pássaros Bisnaus

Quiseram fazer um piquenique  
Uma ideia não muito feliz
Em vez de cuidarem bem da mata

Atiraram o lixo todo para o chão

Mas pior, foi o pai Bisnau
Adormeceu com o cigarro na mão
Tudo começou arder!
As aves e outros animais tiveram de fugir

Até que um pequeno pássaro foi “chamar” os bombeiros
Rapidamente chegaram com as suas mangueiras
Demorou alguns dias para o fogo desaparecer
Em breve, os animais vão poder voltar, àquela linda mata
Unidos e felizes como sempre foram!


Texto da Filipa, 4.ºD

Uma conversa sincera com os pássaros Bisnaus....

"Quando fui passear pela mata, depois do grande incêndio, encontrei os pássaros Bisnaus e falei com
eles.

Bom dia ! - disse eu .
– Bom dia, quem és tu ?- perguntou o pai Bisnau.
Sou o Lourenço, o menino que adora vir à mata, adorava! Agora com ela neste estado, dá-me uma tristeza!- disse eu, muito tristonho.
Mas e, o que temos nós com isso? - perguntou o filho Bisnau.
Quero ajudar-vos a melhorar, a ficarem pássaros melhores, mais amigos do ambiente onde têm, temos todos de viver.
Sim....continua. - disse o pai Bisnau.
– O Sr. Pássaro deveria deixar de fumar, faria bem à sua saúde e ao ambiente também, pois
as probabilidades de incêndios diminuíam.

Mas não consigo parar....
Experimente e vai ver que funciona, quando tiver vontade de fumar mastigue uma pastilha elástica.
Para quem não fuma é fácil falar, mas quem tem vicío. Pensas que já não tentei?
Tente mais uma vez com a ajuda das pastilhas elásticas e no final de as mastigar coloque-as no caixote do lixo.- disse-lhe eu .
Vou tentar , prometo ! Disse-me o pai pássaro, muito convicto.
E, tu, menina Bisnau, não desperdices tanta comida, o que te sobra hoje, amanhã poderá fazer-te muita falta.
–Desculpa, tens razão, vou melhorar o meu comportamento e seguir o teu conselho. -respondeu-me ela muito envergonhada.
Filho Bisnau é melhor comeres menos, com moderação para bem da tua saúde e já agora o lixo não deites ao chão, coloca no ecoponto.
Muito obrigada pelos teus conselhos !- exclamaram todos .
Já me ia esquecendo...Mãe Bisnau, veja se os seus filhos e o seu marido fazem o que
lhes aconselhei, vai ver que se sentirão melhor, e já agora comam menos comida de "plástico", umas sopas, sementes e saladas fazem milagres! -Disse eu à Sr.ª Bisnau.
Ela agradeceu e pediu-me que voltasse mais vezes para trocarmos ideias..."


Trabalho do Lourenço, 4.ºD

Acróstico da história "O dia em que a mata ardeu"

O menino vivia perto de uma bela mata!

Dele a mata não era, pois a Natureza é de todos.
Isso não era importante…
A Natureza é o cheiro, é a cor, é a sua beleza… As suas árvores, as folhas, as flores e os animais que lá vivem

Estranhos eram os pássaros Bisnaus que também ali habitavam
Muito contentes foram fazer um piquenique na mata!

Que espertalhões, comer e deitar lixo no chão, para aumentar a poluição
Um deles, o pai Bisnau, acendeu um cigarro e deitou-o para o chão
Em poucos segundos a mata ardeu, era fumo, eram cinzas e, logo, tudo desapareceu…

Até que um passarinho viu a sua árvore arder

Muito aflito chamou os bombeiros
A meio do caminho começou a cantar
Todos perceberam que algo estava a acontecer
A caminho da mata lá foram, para o incêndio combater.

Após algum tempo, o fogo terminou!
Raios de luz voltaram a iluminar aquela mata
Depois tudo floresceu e a beleza renasceu...
E voltou a ter vida!
Uma grande lição para aprender, a Natureza devemos proteger!
Trabalho da Margarida, 4.ºD

30 de abril de 2020

O dia em que a mata ardeu...Diálogo da Sofia

"Quando a família Bisnau se preparava para levantar voo o passarinho confrontou-os dizendo:     
      - Vocês têm noção do que fizeram?   
Mostrando indiferença o pai Bisnau diz:  
       - Não, nem queremos saber.  
       - Além de terem poluído toda a mata, ainda a incendiaram.  (Responde o passarinho já a perder a paciência).  
        - Apenas nos viemos divertir!   
Indignado, diz o passarinho:    
        - Já pensaram nos animais que aqui vivem e que vão ser obrigados a abandonar as suas casas, porque infelizmente as árvores e as flores não podem levantar raízes e voar, vão arder juntamente com a mata.  
Mostrando algum arrependimento, diz o pai Bisnau:  
        -Pedimos desculpa pelo nosso comportamento.   
E virando-se para o passarinho gritam juntos:  
        - Lixo para o chão não! 
        - Que acabe a poluição! 
       - Aprendemos a nossa lição! "
Trabalho da Sofia, 4.ºD 

O dia em que a mata ardeu...Diálogo do Dinis

Tom: Olá, kevin!
kevin: Olá,Tom! Eu quero falar contigo sobre um conto do escritor conhecido como José Fanha, que nos quer transmitir uma mensagem.
Tom: Ok, e qual é essa mensagem?
Kevin: A mensagem que o autor nos quer transmitir é para preservarmos o nosso planeta. O título do livro é "O dia em que a mata ardeu".
Tom: Estou curioso, kevin.
Kevin: O autor descreve que a natureza não tem dono, é de toda a gente.
Tom: Concordo!
Kevin: Ele descreve a floresta como tendo vários tipos de árvores, como por exemplo, pinheiros, bravos, mansos, carvalhos, etc...
Ele também refere que tinha vários amigos animais.
E estava a correr tudo bem, até aparecer uns pássaros cruéis chamados Bisnaus, que causaram um incêndio, que transformou as plantas em carvão; mas, felizmente, os seus amigos animais fugiram a tempo das mil chamas no chão.
Pois foi Tom, mas um passarinho pequenino viu que a árvore em que costumava fazer o seu ninho estava a arder e chamou os bombeiros. Ele não falava a língua dos homens mas o seu canto aflitivo chamou a atenção deles que correram em direção à mata e apagaram aquilo em 5 segundos.
Tom: Depois do fogo estar apagado os animais voltaram para o seu habitat natural, não foi Kevin?
  Kevin: Sim foi, e acabou tudo como anteriormente. O mais importante é não esquecer a mensagem para preservarmos o nosso planeta!!

Texto do Dinis, 4.ºD


O dia em que a mata ardeu...Acróstico do Miguel

O dia em que a mata ardeu

Dono, aquela mata não tinha
Ia a família Bisnau
A pensar fazer um piquenique

Entretanto o pai Bisnau deixou cair um cigarro
Mas ele não estava apagado

Que tragédia!
Um passarinho apercebeu-se
E os bombeiros foi chamar

A caminho lembrou-se que não falava com humanos

Mal chegou viu os bombeiros
Após algum tempo eles conseguiram
Tinham percebido
A voar o passarinho chegou

A mata continuava a arder
Rapidamente os bombeiros chegaram
Deitaram água
E o fogo apagaram
Um pequeno passarinho foi o herói!
Texto do Miguel, 4º D

O dia em que a mata ardeu...Diálogo da Maria Inês

"O bombeiro Matias e o bombeiro Bernardo estavam no quartel dos bombeiros sentados numa cadeira, quase a dormir um para cada lado. Quando de repente, entra quartel adentro, todo esbaforido, num canto muito aflitivo, um belo pássaro. Bernardo e Matias, com o susto, dão um salto da cadeira e caem no chão.    
- Piu, piu, piu ­- canta o passarinho, muito aflito.
- Bernardo!
- Diz Matias.
- O que é que o pássaro nos está a querer dizer?
- Não sei!
- Vamos segui-lo...
Entraram muito depressa no carro dos bombeiros e começaram a segui-lo, muito rápido. No carro o Matias disse:
- Será que é a nossa mata que está a arder?
Muito triste, respondeu o Bernardo:
- Eu, também tive o mesmo pensamento.
Quando lá chegaram viram a mata arder e muito aflitos, puseram mãos ao trabalho:
- Vamos lá! Pega nas mangueiras.
As pessoas perguntaram umas às outras quem fez esta maldade.
Todos tristes, pessoas e animais, fugiram pensando que estava tudo perdido, que nunca mais podiam ali viver…
Com muito custo os bombeiros lá conseguiram combater as chamas…  
- Matias, acho que fizemos um bom trabalho, não achas?     
- Sim, felizmente para o bem de todos.
A Natureza é o nosso bem mais precioso! Devemos todos ter muito respeito, desta vez correu bem, mas um dia pode ser tarde de mais…  
Trabalho da Maria Inês, 4.ºD

O dia em que a mata ardeu...Acróstico do Diogo

O autor do texto adorava a sua mata

Dava tudo por ela.
Iguanas,
Aves

Trabalho do Diogo, 4.ºD
Entre outros animais.
Mas de repente...

Quiseram fazer um piquenique
Uma família de pássaros
Extravagantes.

Amor eles não tinham,

Mas maldade sim!
Agora que eles
Tinham chegado
Aquela mata estava em perigo.

A mata ardia
Rodeada de lixo.
Depois chegaram os bombeiros,
E o fogo apagaram.
Um grande susto levaram!

O dia em que a mata ardeu, de José Fanha

Hoje na "Hora da Leitura" promovida pelo projeto #EstudaEmCasa foi apresentada a obra de José Fanha. Se ainda não conheciam este livro sobre a defesa do ambiente vão ver que vale a pena o ler...



No final da leitura e para complementar a compreensão do livro foi proposto aos alunos que redigissem um texto, diálogo ou acróstico, sobre a história em estudo.

Boas Leituras!

27 de abril de 2020

O 25 de abril contado por uma Criança

"Vou-vos contar uma pequena história, não vivida por mim, mas por muitos dos portugueses.
Há muitos e muitos anos atrás, num pequeno país chamado Portugal não havia liberdade.
As pessoas viviam tristes e revoltadas, ninguém era feliz naquele lugar.
Não havia alegria, era um país cinzento e triste, onde ninguém podia expressar a sua opinião. E, tu, já te imaginaste a viver assim? Sem poder ir à escola em conjunto com os rapazes, a viveres ameaçado pelo medo e pela censura?
Mas nesta história havia apenas uma única personagem a quem todos temiam, o chefe de Estado, Salazar. Uma pessoa muito má que todos odiavam.
Cansados de tanta ditadura, as pessoas revoltaram-se, estavam cansadas, queriam ir à procura da sua liberdade. Juntaram-se aos soldados e, ao som da música, que se ouvia na rádio, deu-se então uma grande revolta: “O 25 de abril de 1974, a Revolução dos Cravos” que até hoje mudou o nosso país. 
Houve um grito de liberdade!!

Agora sim, somos livres! Somos como a gaivota da música…Somos livres de voar!"

Margarida, 4.ºD

"Beijinhos Doces"

Na semana passada assistimos às aulas em televisão, através do projeto #EstudoEmCasa.
Na 1.ª aula de Português foi-nos apresentado os conceitos relacionados com o Texto Instrucional que já conhecíamos mas que é sempre bom recordar.
Foi-nos apresentada uma deliciosa receita denominada "Beijinhos Doces" que passamos a apresentar:

Ingredientes:
  • 100g de açúcar
  • 200g de bolacha tipo Maria moída em pó
  • 200g de chocolate em pó
  • 50 g de manteiga à temperatura ambiente
  • 2 ovos inteiros
  • Chocolate granulado q.b
  • Missangas de açúcar coloridas
  • Açúcar q.b
Preparação:
  1. Mistura todos os ingredientes secos.
  2. Adiciona os ovos e a manteiga à temperatura ambiente.
  3. Amassa bem até formar uma pasta.
  4. Molda bolinhas e envolve nas missangas ou no chocolate granulado ou no açúcar.
  5. Coloca em forminhas de papel e leva ao forno por 30 minutos.
  6. Está pronto a servir!
Estava lançado o desafio e o "nosso" João Luís com ajuda da mãe, puseram as mãos na massa e fizeram-nos esta surpresa...
"Beijinhos Doces" pelas mãos do João, 4.ºD
Bom Apetite!

26 de abril de 2020

"Amor a Portugal"

O país que eu escolhi para viver é Portugal, porque além de ser o meu país é o que conheço melhor.
Portugal fica localizado na parte mais ocidental da Europa e a norte do continente africano. Em conjunto com Espanha, forma a Península Ibérica.
Portugal foi para a União Europeia em 1986 e nós, os portugueses, temos muito orgulho nisso.
O nosso país faz fronteira marítima com o oceano Atlântico, a sul e oeste, e fronteira terrestre com Espanha, a Norte e a Este.
A capital de Portugal é Lisboa. Esta cidade é muito conhecida e muito linda.
Desde a época dos Descobrimentos que os portugueses foram deixando marcas importantes da sua cultura pelo o mundo. Uma delas é a língua portuguesa. Os países cuja língua oficial é o português são países lusófonos e fazem parte da CPLP- Comunidade de Países de Língua Portuguesa. Esses países são: Portugal, Cabo Verde, Brasil, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique e Timor-Leste.
A superfície de Portugal é de 92 072 quilómetros quadrados. Apesar de Portugal ser pequeno, ocupa todo o meu coração!
Na bandeira de Portugal tens muitas cores, por exemplo, o vermelho e o verde. O vermelho significa a cor da conquista, representa o sangue derramado nas batalhas pela conquista do território, e o verde significa a esperança e representa a mudança de vida no país.
A nossa população é de 10 600 000 habitantes. Somos um povo simpático, calmo e acolhedor.
Gabriela, 4.D
.
Olha que dois! Amigos inseparáveis!

Tarefas Semanais - 27 a 30 de abril

Olá, pais e alunos!
Como habitualmente partilho aqui no nosso cantinho a grelha das atividades escolares.
Tarefas Semanais (clica aqui)


Bom Trabalho!

25 de abril de 2020

Textos e Cravos de Esperança...

Numa altura em que por causa de uma pandemia (Covid-19) estamos confinados dentro de casa e não podemos ir à escola, o conceito de Liberdade nunca fez tanto sentido...
Ainda assim, ao longo desta semana, construímos textos bonitos e cravos de esperança! Fica aqui registado as nossas ideias e sentimentos.
Trabalho realizado pela Joana, 4.ºD

Portugal em revolução,

Todos unidos numa só voz.
A lutar por uma pátria maior,
Para libertar os nossos avós.

Era um país infeliz,
Mergulhado na escuridão.
Ter um molho de cravos nos braços,
Para nos darem a razão.

Ao longo de muitos anos,
O país era um tormento.
Mas com o vermelho dos cravos,
Tudo ficou menos cinzento!

Com a liberdade imposta,
Todos na rua cantaram
Grândola, Vila Morena...
Matias Luís, 4.ºD

25

Alegria
Bravura
Revolução
Independência
Libertação

Democracia
Indispensável
Abril

Data
A recordar

Livre
Imprescindível
Bondade
Escolha
Rir
Direitos
Abertura
Determinação
Esperança...

Filipa, 4.ºD

Antigamente era o Salazar
A pessoa que todos odiavam
Mandou polícias parar
Ouvir as pessoas a conversar.

Escolas separadas
Alunos também
Pois Salazar raramente
Fazia o bem.

Documentos, nunca mostrar
Pois a Pide estava lá!
Que não era coisa a brincar!

Até que chegou o dia,
Da revolução iniciar
Pistolas no ar
E pessoas salvar!

 Diogo Monteiro, 4.ºD


Lá vem o dia 25 de abril! Os soldados,
Imaginaram como seria a liberdade. Com
Bondade no coração
Escreveram uma bonita história,
Reconstruíram um país cheio
De amor, paz, liberdade e união.
A nossa coragem
Deu-nos
Esperança e o cravo em homenagem…

 Gabriela, 4.ºD

Salazar deixou o nosso país
Cinzento e sisudo
Com a sua mania de mandar em tudo!

Não havia Liberdade
Era uma maldade!

Meninos e Meninas separados
Em escolas diferentes
E os pobres trabalhando sempre!

O Povo e os Soldados, fartos da guerra...
Em segredo organizaram a revolução
Para pôr fim à maldição!


Salgueiro Maia, nosso Herói
Pôs fim à Ditadura.
Homens e Mulheres
Saem à rua...
Matia Inês, 4.ºD

 Sofia, 4.ºD
Liberdade de expressão
Igualdade para todos
Bem hajam aos soldados
Esperança para um povo
Revolução Militar, com os cravos a simbolizar
Depois de tanto sofrimento
A liberdade está conseguida
Dia 25 de abril, vamos comemorar
E com as guerras acabar!


Em tempos que não havia liberdade
Uma revolução foi feita
Os militares fartos da guerra
Fizeram de tudo pela terra perfeita.


Já fartos da ditadura
Foram todos à rua
Com muita vontade
Viveram uma aventura.

Ilustração do Francisco, 4.ºD
Texto da 
Ana Cecília , 4.ºD

No dia 25 de abril comemora-se o dia em que Portugal teve liberdade. Antes desse dia tinha uma escola para meninas e outra escola para meninos , para os que tinham sorte de ir para a escola . Nesse país era proibido ler e falar sobre tudo o que se queria . Isso tudo começou no ano de 1974. Também não se podia discordar do governo.
Eu penso que o dia 25 de abril foi muito bom para todas as pessoas.
Ilustração do Diogo Miguel, 4.ºD
Texto da Lara, 4.ºD

Antes do 25 de abril de 1974, Portugal era uma ditadura, governado por Salazar. Era tudo diferente do que é agora, não se podia discordar do governo porque havia polícias (PIDE) a ver e castigavam quem falasse mal do governo, os rapazes e as raparigas tinham escolas diferentes e nem todas as crianças iam à escola, os mais pobres tinham que ir trabalhar. Os homens eram obrigados a ir para a guerra em África. Era um país triste.
No dia 25 de abril de 1974 os soldados saíram à rua, para fazerem uma revolução, queriam acabar com a ditadura e começar a democracia. Queriam um país livre, onde se podia votar livremente, pensar e falar de forma diferente, uns dos outros, queriam um país alegre.
O povo juntou-se aos soldados, dando-lhes cravos que eles colocaram nos canos das espingardas. Foi por isto que a revolução ficou conhecida como “Revolução dos Cravos”. Os presos que nunca roubaram nem mataram foram libertados.
Foi por causa da “Revolução dos Cravos” que o feriado do dia 25 de abril é comemorado.
Na minha opinião o 25 de abril foi muito útil porque posso viver em liberdade...

 João Luís, 4º D

Um homem malvado
chamado Salazar
governou Portugal
enviou os nossos homens para o Ultramar.


Num país onde não era possível discordar
o povo tinha medo de sair à rua
de se juntar e conversar.


As famílias mais ricas
tinham mais poder
podiam levar os seus filhos à escola
para aprender a ler e escrever.


No dia 25 de abril de 1974
a revolução dos cravos
trouxe a liberdade, paz e amor
um grande obrigado a todos os seus soldados.

Ilustração de José Miguel, 4.ºD
Texto do Dinis, 4.ºD

25 de abril, SEMPRE!
Viva a Liberdade!

Trabalho realizado pela Margarida, 4.ºD